domingo, 29 de agosto de 2010

Manual do Sexo Oral:

Enquanto o pessoal ta aí discutindo sobre outras inutilidades, vou direto àquilo que interessa –

Manual do Sexo Oral:

Este guia só faz sentido para quem realmente gosta de sexo oral. Se você é do tipo que faz apenas para cumprir o script, esqueça! Não existe nada mais sem graça do que uma lambida burocrática. Se, ao contrário, você sente prazer verdadeiro em dar prazer com a boca, este guia irá lhe ajudar a melhorar ainda mais sua performance.

Antes de tudo, convém conhecer a fruta em detalhes. Para isso, dê uma conferida na foto ilustrando a "Anatomia de uma vagina .Mas tenha sempre em mente que o sexo oral não se restringe à região genital. O corpo da mulher é todo sensível e merece ser beijado, lambido e chupado por inteiro.

Claro que algumas partes são mais sensíveis que outras e isso varia de mulher para mulher. Portanto, para não correr o risco de desagradar, comece lambendo o pé da cama. Aí não tem como errar. Falando sério, vá devagar, lambendo pelas beiradas. Em se tratando de assunto tão delicado (sob todos os sentidos) nunca vá direto ao ponto. O "grelo" é por demais sensível e até mesmo o contato da língua pode ser incômodo se sua parceira não estiver suficientemente excitada.

Os seios e os mamilos são ótimos pontos de partida. Trate-os com carinho, chupe devagar, passe a língua nos mamilos e sinta-os endurecer. Morda bem de leve (a não ser que ela peça o contrário).

Cuidado com a barba por fazer. Embora algumas mulheres gostem, a maioria vai se sentir incomodada. Barba roçando em lugares sensíveis funciona como uma lixa.

Dedique atenção especial à nuca e às costas. Deixe a língua deslizar lentamente de cima para baixo, até a base da coluna.

Beije a bunda, as coxas, as virilhas… Brinque com a língua em torno do ânus, lamba carinhosamente o períneo (aquele pedacinho que fica entre a vagina e o ânus). Você pode e deve se concentrar durante alguns minutos nessa região extremamente rica em terminais nervosos e, por isso mesmo, super sensível.



1 = Corpo do clítoris

2 = Clítoris
3 = Lábios menores
4 = Entrada vaginal
5 = Lábios maiores







EXPERIMENTE!!!!!Tomar vinho ou champanhe

Derrame lentamente sobre a vagina e vá lambendo, absorvendo cada gota. Não use destilado (uísque, vodka, etc… porque arde).

Bem, finalmente chegou o momento de encarar a coisa de frente. Ela, a essa altura, a mulher deve estar louca para sentir sua boca envolvendo-a por inteiro. Provoque um pouco mais. Toque a vagina dela com os dedos, introduza um ou dois na vagina, mexa lá dentro, sinta o calor, a umidade. Tire os dedos, lambuzados do caldinho dela e chupe, sinta o sabor… Ela vai adorar ver você fazendo isso.

O orgão sexual feminino possui uma “arquitetura” complexa, rica em detalhes. Explore todos as dobrinhas. Deslize a língua pelos pequenos lábios, de cima para baixo, de baixo para cima, de um lado, do outro… Se ligue na textura e no sabor.

EXPERIMENTE!!!! Com Gelo

Coloque uma pedrinha de gelo na boca e, ao mesmo tempo, chupe-a. A mescla do calor da sua boca com o frio do gelo provoca sensações incríveis.

CUIDADO!!!! Algumas mulheres são tão sensíveis que não agüentam o contato direto com a ponta do grelo. Nesses casos, concentre-se nas laterais dele ou use a pele que recobre o clitóris como proteção.

Separe os lábios da xota com os dedos e enfie a língua na vagina o mais fundo que você puder. Faça movimentos de entra-e-sai com a língua, imitando uma boa trepada.

Envolva a vagina toda com a boca e chupe gulosamente, como quem chupa uma fruta madura, sorvendo cada gota do melzinho dela, sem deixar de trabalhar com a língua.

O Clitóris é a meta. Somente quem sabe tratá-lo adequadamente é capaz de dar uma chupada inesquecível.

Mais do que nunca, você precisa estar sintonizado com sua parceira, atento às suas reações mais sutis. Esse é o melhor de todos os guias para fazer a coisa certa.

Experimente enfiar um ou dois dedos na vagina enquanto lambe o clitóris dela. Mexa lá dentro devagar, faça movimentos lentos de entra-e-sai com os dedos, tente encontrar o Ponto G (uma protuberância na parte anterior da vagina, a uns 5 cm da entrada). Se você fizer isso direito ela vai ficar doida. Se ela lhe pedir para tirar os dedos, tire. Algumas mulheres perdem a concentração quando você faz isso.

Do mesmo modo, você pode experimentar enfiar um dedo no ânus dela enquanto chupa. Mas vá com calma porque nem todas gostam desse tipo de carinho. Fique ligado nas reações dela.

Coloque o clitóris na boca e chupe suavemente enquanto brinca com a língua na ponta dele.
Alterne as chupadas com lambidas ao longo da fenda da vagina, nas virilhas, nos grandes lábios…
Volte a se concentrar no clitóris, vibrando a língua bem rápido. A alternância é importante pois a manipulação constante do clitóris pode provocar um resultado oposto ao desejado: ele tende a ficar dormente e aí todo o caminho que você construiu rumo ao prazer supremo da sua parceira vai por água abaixo. Mas têm um detalhe: se você perceber que ela está prestes a gozar, não pare nem mude a forma como está fazendo. Mantenha o ritmo e a pressão até o fim.


sábado, 28 de agosto de 2010

CUIDADOS NO SPANKING.

Antes de aplicar um spanking mesmo que leve no escravo, alguns cuidados devem ser observados como: os locais a serem aplicados o spanking, alguns são apropriados enquanto outros
merecem uma maior atenção, deve-se avaliar o estado de saúde do mesmo e checar com cuidado algumas condições que favoreçam o aparecimento de hematomas, como: quão forte é a
pele da pessoa, a presença de algumas doenças ou se o escravo está tomando determinados tipos de remédios (como anticoagulantes). Outro fator a ser considerado é que escravos de mais idade tendem a ter vasos sanguíneos mais frágeis, portanto, estão mais propensos a terem hematomas.
Segundo passo é observar as marcas que vão se formando na pele do escravo.

A figura ao lado corresponde as áreas do corpo conforme um semáforo de transito, ou seja as áreas vermelhas devem ser evitadas, as áreas em amarelo deve-se ter um cuidado maior, as
áreas verdes tem “transito” livre.


Ai vão algumas dicas de cuidados com certas regiões do corpo na hora de aplicar o
spanking.


REGIÕES E CUIDADOS:

REGIÃO GLÚTEA: É a região que oferece menos riscos a
pratica. Pois é onde se encontra a maior quantidade de gordura e músculos do corpo
humano. Isso permite total liberdade de uso de todos os acessórios de sua maleta:
chinelos, cintos, chicotes, chibatas, canes, paddles, etc.







COSTAS:
Também uma parte do corpo muito utilizada. Porém alguns cuidados devem ser tomados
devido a presença das costelas e dos órgãos vitais: pulmão, coração e fígado. È bom que se evite o
uso de acessórios pesados como canes e paddles que podem causar a fratura da costela e
lacerações desses órgãos. Portanto dê preferência a chicotes, são mais maleáveis assim diminui-se o risco. Cuidado em especial com o rosto do escravo durante o chicoteamento nessa área.

REGIÃO LOMBAR
Deve-se evitar essa região ali se encontram os rins, que são órgãos sensíveis.




PERNAS
Área livre para spanking. Apenas deve-se evitar a parte interna das coxas, pois ali
passam uma grande quantidade de sensíveis vasos sanguíneos, e os joelhos, pois contém
ligamentos específicos e sensíveis.






PÉS E MÃOS
Locais de bastante resistência e dificilmente deixam marcas. Cuidado com o dorso das
mãos/peito dos pés, pela grande quantidade de tendões e vasos existentes.




BRAÇOS
Utilizar apenas a parte externa.
PEITO
Área sensível ao spanking pesado, podendo desencadear mastites, hipertrofias e até
deslocamento das glândulas. Portanto, pegue leve nesses locais. Se a escrava usa prótese de silicone, o cuidado deve ser redobrado, pois qualquer inflamação no local pode levar à rejeição da prótese e à necrose dos tecidos. Nesse caso, apenas tapas são permitidos, e de intensidade
moderada.

PESCOÇO
ÁREA DE TOTAL RISCO. Nas laterais do pescoço há presença das veias jugulares e
artérias carótidas, que drenam/irrigam a cabeça.

ROSTO
Apenas tapas com as mãos são indicados, não sendo aconselhável o uso de chinelos/réguas, etc cuidado em especial com chicotes, pois estes facilmente atingem os olhos. Se a pele do escravo for muito branca e sensível, tapas fortes no rosto podem deixar hematomas.

GENITAIS

Sexo masculino
- chicotadas são contra-indicadas tanto na bolsa escrotal quanto no
pênis. No pênis pode-se dar tapas e puxões. Na bolsa escrotal, evita-se bater com força
ou chutar em virtude da presença dos testículos em seu interior. Você pode suspender os testículos próximos à virilha se o escravo estiver deitado, com o uso de esparadrapos, deixando a bolsa escrotal vazia em sua parte inferior, livre para torturas diversas (aí sim os tapas fortes são permitidos). O problema não é o “saco” em si, pois este, vazio, tem pouca sensibilidade. O que o
torna sensível é a presença dos testículos dentro.

Sexo feminino - chicotadas devem ser evitadas, principalmente na vulva, por ser
constituída de tecido mucoso que corta facilmente ( a não ser que esse seja o objetivo!).
Tapas, mesmo fortes, estão liberados, e chutes com os pés descalços também.

RECOMPOSIÇÂO DO TECIDO PÓS SPANKING.

Durante o spanking mesmo que leve, o tecido é lesionado. Ocorrendo assim a
ruptura de vasos sanguíneos superficiais, levando ao sangramento. Esses vasos por sua
vez se contraem e o sangue da superfície rapidamente se coagula.
Nos dois primeiros dias, dá-se a fase inflamatória, que é acompanhada de
edema, que torna a pele vermelha e caracteriza-se por inchaço local devido a
uma vasodilatação e a migração de leucócitos da corrente sanguínea para o
tecido lesado, a fim de absorver partículas estranhas. Por volta do terceiro dia, o coágulo
começa a ser substituído por um tecido de granulação, que evolui até o surgimento
de novas células epiteliais. Após o terceiro dia, inicia-se um depósito do colágeno, substância que permite a união fibrosa dos tecidos.
Perguntei para um cirurgião vascular, amigo meu, ele fala que “Ao invés de correr atrás de cubos de gelo e pomadas, basta pressionar o local atingido com as duas mãos, com força, por três
ou quatro minutos” Mesmo que o gelo seja uma boa opção, já que causa o resfriamento
e o fechamento dos vasos rompidos, só o tempo gasto para retirá-lo da fôrma já favorece
o sangramento. “Pressionar impede que o sangue saia dos vasos e entre em contato com
a gordura, o que causa a dor”, afirma o médico. É importante lembrar que esses minutos
devem ser acompanhados com o relógio e a mão não deve ser retirada, nem a pressão
aliviada, pois isso libera o sangue para formar o hematoma.
Caso o hematoma já esteja formado, é aconselhável colocar compressas de água
quente nas próximas 24 horas após o trauma. “Elas aliviam a mancha por dissiparem o
coágulo de sangue,” afirma o cirurgião.

Outros cuidados também podem ser tomados a fim de uma melhor recuperação:

- Uso de pomada. ( indicada- à base de polissulfato de mucopolissacarídeo)

-Se houver sinais inflamatórios claros (vermelhidão, calor e inchação do local por mais
de 12 horas após a sessão). É aconselhável o uso de algum antiinflamatório.

-Realizar limpeza local com anti-céptico para evitar infecções.

-Evitar exposição solar pelo menos durante dois ou quatro meses para evitar o
escurecimento da pele. (dependendo da lesão e da pele do indivíduo.)

-É aconselhável utilizar sempre filtros solares para proteger a pele.

- Para uma melhor cicatrização pode-se utilizar creme á base de óleos com elevado teor
de ácidos graxos, como óleo de Rosa Mosqueta e também cremes vitaminados com
vitamina a,D3, E alantoina e óxido de zinco4, também cremes à base de tretinoína,
hidroquinona ou ácido kójico.

A repetição de golpes sobre um mesmo lugar pode fazer com que marcas tornem-se
permanentes, mas às vezes um único golpe, dependendo da força e da laceração
provocada pode produzir uma cicatriz irremovível por meios caseiros. Músculos não se
lesionam tão fácil assim. Para isso acontecer é necessário o rompimento interno de
fibras. E aí, para que algo assim ocorra, a força empreendida certamente não será
mais aquela de um jogo que deve ter um mínimo de segurança e sanidade como o
BDSM, e sim a de uma violência extrema e desnecessária.

CUIDADOS QUANDO OCORRE A LACERAÇÃO DA PELE:

Se o objetivo é um spanking hard com laceração da pele ou cortes, nos dias que antecederem o ato, procure incluir na dieta do escravo: fígado, couve-flor,repolho, leite, tomate, óleos vegetais,
ovo, aveia, batatas, cenouras e carnes de vaca e/ou porco. Esses alimentos contêm muita vitamina K, que ajudam na transformação de algumas proteínasresponsáveis pela coagulação do sangue.
E também contem vitamina E, que ajuda na prevenção de danos celulares, além de
melhorar a circulação e ajudar na regeneração de tecidos.



Tenha sempre alguns itens à mão:

Um anti-séptico spray (indicação-pomada à base de Cloridrato de Lidocaína, um dos melhores no mercado atualmente).

Algodão e gases.

Um jarro com água bem gelada pra qualquer eventualidade.

Pomada cicatrizante e com antibiótico, assim os cortes se fecham sem risco de
uma infecção (pomada indicada- feita de : fibrinolisina, desoxirribonuclease, cloranfenicol)

Sabonete neutro de glicerina.

Cuidados no momento seguinte a lesão:

-Lavar o local lesionado com água bem gelada, para agir como vaso constritor, e fechar
alguns vasos que ainda estejam sangrando.

- Depois para o chuveiro (ligado no frio), usar o sabonete de glicerina, lavar e enxaguar
abundantemente.

- Em seguida, enxugar todo o corpo, com atenção especial para as feridas, não deixar as
extremidades úmidas.

- O passo seguinte, é pulverizar o local com o anti-séptico (esse deve ser usado varias
vezes ao dia).

-Aplique a pomada cicatrizante no ferimento. É melhor o efeito quando aplicada em pequenas quantidades, mas em espaços
pequenos de tempo, em vez de grandes quantidades em espaços longos. Uma sugestão é
de que aplique ao menos de quatro em quatro horas.


CUIDADOS NO DIA A DIA APÓS A LESÃO:

Toda vez que a pele é lesionada, requer cuidados adequados. Caso contrário, o
processo de recuperação será mais doloroso, o local machucado poderá sofrer prejuízos
irreparáveis – além de a nova pele nascer com até 50% menos qualidade que a original.
Para tratar adequadamente as feridas é preciso, antes de tudo, compreender a função
da pele. Esse tecido (a pele) serve para impedir a perda de líqüidos pelo organismo e age como
um instrumento de sensibilidade à dor cujas principais funções são: informar o cérebro
das agressões externas, regular a temperatura do corpo; proteger o organismo contra
agentes externos e eliminar toxinas. .

Sua estrutura é dividida em três camadas, cada uma com características e funções diferentes.

Epiderme É a camada mais superficial da pele. Por estar em contato direto com o meio exterior, é a responsável por proteger o organismo dos agentes externos e refletir o aspecto
saudável em sua superfície.

Derme É a camada intermediária da pele, responsável por sua sustentação e nutrição. Constituída por fibras de colágeno, elastina e glisaminoglicanos (gel coloidal) que garantem a firmeza, a elasticidade e o equilíbrio da pele. É nela que encontramos as glândulas sebáceas, produtoras de sebo que formam parte da emulsão natural que protege a pele de irritações e evita o seu ressecamento.

A derme é a segunda camada da pele, sendo responsável por sua sustentação e nutrição
Hipoderme ou Tecido celular subcutâneo
É a camada mais profunda da pele, formada basicamente por vasos sangüíneos e células de gordura que funcionam como um isolante térmico e dão forma ao contorno do corpo.

Assim, toda vez que se corta parte desse revestimento, abre-se uma porta sem que se
tenha qualquer tipo de defesa natural como as existentes em outras entradas do corpo –
nariz, ouvidos, olhos, etc. Por isso, cada vez que se abre uma entrada não natural,
precisam-se adotar certos cuidados:

-Não deixar a ferida secar. Isso é um dos erros mais graves. O ideal é que o local
lesionado esteja úmido, com os tecidos apresentando coloração natural. As crostas
secas, as famosas “casquinhas” significam que o lugar ressecou, não recebeu plena
oxigenação de dentro para fora e, portanto, a regeneração se tornará mais lenta e é um
sinal de que algo está errado. Na eventualidade das incômodas casquinhas surgirem,
devem ser retiradas por profissionais e jamais arrancadas. Para isso, existem produtos
específicos – como os hidrogéis ou coberturas de absorção - que não causam traumas.

- Na troca de curativos lavar os ferimentos com água morna. Utilizar água fria retarda a
recuperação do tecido em quase quatro horas.

-A temperatura da água utilizada para lavar a lesão nas trocas dos curativos. Deve ser de
36,5o ou 37o, que é a temperatura interna do corpo. Caso não se obedeça a esse
cuidado, haverá um choque térmico e a interrupção do processo de mitose (duplicação
natural das células). Isso implica em uma demora de 40 minutos para a área voltar à
temperatura normal e mais cerca de três horas para a retomada do processo de mitose,

-Exceto na limpeza inicial, todas as outras não devem conter sabão.

-Enxugar bem e com cuidado o local do ferimento.

-Aplicar o anti-séptico. Lembrando que esse deve ser aplicado várias vezes ao dia para
um melhor resultado.

-Aplicar a pomada cicatrizante.

Além do bom trato, uma boa cicatrização é conseguida com cuidados como alimentação
e hidratação adequadas, repouso e condição emocional favoráveis. A dieta ideal para a
recuperação é a que contêm boas doses de cobre, zinco, manganês, ferro, vitamina A e
D, proteínas e carboidratos.

EREÇÃO


Ereção
A ereção ocorre quando os corpos cavernosos são inundados por uma grande quantidade de sangue. Ela pode ser provocada de forma reflexa, psicogênica ou ambas.

Ereção Psicogênica.
Na ereção psicogênica, os estímulos partirão do cérebro, descerão pela medula e chegarão através de nervos até os órgãos genitais, levando assim, os comandos de ereção.
Este tipo de ereção ocorre frente a um estímulo que cause excitação ou desejo sexual, seja ele visual, tátil, por cheiro, sons, pensamentos, etc. Ela é comandada pelo centro medular toracolombar níveis T11-L2.

Ereção Reflexa.
A ereção reflexa será gerada por estímulos nos órgãos genitais ou regiões próximas. Tais estímulos chegarão até a medula, que responderá com comandos que levarão à ereção, caracterizando um arco reflexo, independente de estímulos do cérebro. Ela é comandada pelo centro medular sacral situado nos níveis S2,S3 e S4.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

PASSO A PASSO DA MASSAGEM TAILANDESA




Com ele(a) de bruços, o parceiro(a) com o óleo de sua preferência. Então, escorregue delicadamente os mamilos e a barriga pelas costas, braços, bumbum e coxas do seu amado(a).


Agora, ponha um joelho de cada lado do corpo do parceiro(a) e apoie as mãos mais à frente. Brinque com seus mamilos na nuca dele(a).


Com os joelhos encaixados entre as pernas de sua vítima, deslize da coxa até o bumbum. Depois, volte à posição inicial e passe a ponta dos cabelos e as unhas lentamente, das costas até os pés dele(a).




Sentando sobre o bumbum do parceiro(a), excite-o com suas partes íntimas. Faça isso também nas costas, na coxa e na parte de trás dos joelhos. Então, vire-o de frente e tente continuar a massagem... kkkkkkkkkkkkkk

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

SER OU NÃO SER SM? EIS A QUESTÃO!

Desde que entrei no meio BDSM, ouço dizerem, fulano é SM sicrano não é, esse está SM... e fico me perguntando, o que é ser SM... Tem um estereótipo definido ser ou estar SM?

Acredito que todos que sentem prazer por qualquer prática relacionada ao SM são SM. A não ser aquelas que entram no SM para tentar se descobrir, aí posso concordar que elas "estão" no SM, mas isto não dura muito, ficam um período e acabam saindo. Quem tem prazer em alguma das práticas SM é SM (acredito)...

O fato de uma pessoa sentir prazer e levar para o lado sexual, ela foge do esperado? O SM não lida diretamente com a libido? Será que os que condenam o sexo no SM são porque de alguma maneira tem problemas com esse lado?

São tantas perguntas que chego a ficar zonzo, mas aprender é isso não é!

Acredito que ser ou estar SM não importa, o que importa é viver as fantasias, ter prazer, gozar a vida da melhor maneira possível, cada um tem seu jeito, suas preferências, suas motivações, não dá para classificar fulano, sicrano ou beltrano...

Dá sim para aprender a respeitar o espaço de todos, respeitar o jeito, preferência, motivação. Esse negócio que sou mais, sou isso, sou aquilo, eu vivo isso e y não vive, x faz daquele jeito que eu jamais faria. Por favor, cada um na sua! Sem essa de julgamento, se peneirarmos mesmo, caímos todos no mesmo saco... BDSM é: libertação; realização; superação; prazer etc.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Como custa caro ser mulher ...rsr POR QUE O HOMEM TEM QUE PAGAR A CONTA


Homens chamam mulheres para sair e não sabem o estresse que isso gera na vida delas. Saibam, rapazes, o que se passa nos bastidores...
Nós convidamos ela para jantar. Ela sorri: “Claro, vamos sim”. Inferno na Terra.
Então ela começa a se reprogramar mentalmente e pensar no que fazer para estar impecável até lá; cancela até seus compromissos.
Começa a odisséia...
Ela pára de comer, claro. Tem que estar magra no dia do jantar e sempre acha que está gorda. Começa a dieta do queijo: ficar sem comer nada o dia inteiro e, quando sente que vai desmaiar, come uma fatia de queijo.
Fazer pé e mão. Homens perguntam: 'Por quê pé? Ela pode usar sapatos fechados?'. Lei de Murphy: Sempre dá merda...
Uma vez levei num restaurante japonês. Tirou o sapato para sentar nos tatames e ficou com vergonha. Mostreu seu esmalte semi-descascado...
Tem que fazer pé e mão, até porque boa parte dos homens tem uma tara bizarra por pé feminino.isso irrita as mulheres... Horas de academia e o cara tem tara na porra do pé...
Hidratação, escova, chapinha, tintura, retoque de raiz, etc.
Aí tem a depilação: perna, axila, virilha, sobrancelha, etc... lá se vai mais uma hora (DOLORIDA) do dia delas.
Chegou o grande dia! O o homem não disse onde ia levar ela... Dilema: “Será que estou bem vestida?...”

Aliás, ele não vai perceber quase NADA. Você pode aparecer de Chanel ou enrolada em um pano qualquer. Eles não reparam em detalhes. Bom, pelo menos sabem dizer quando estamos bonitas (só não sabem o porquê)
Depois de passar rímel, a babaca fica separando cílio por cílio com palito de dente pra ficar com um olhar mais bonito...
Homens não entendem, mas tem dias que as mulheres acordam gordas. Sério! Ontem o corpo estava lindo, e hoje... uma PORCA! acontece. Se for um desses dias em que seu corpo está um e o espelho de sacanagem com sua cara, você acaba com uma pilha de roupas em cima da cama, chorando e gritando: 'EU NÃO TENHO ROOOOOUUUUUPAAAA'. Aí tem que refazer a maquiagem...
E quando você inventa de colocar aquela calça apertada e tem que deitar na cama e pedir para outro ser humano enfiar ela em você? Uma gracinha, já vai para o jantar lacrada a vácuo. Se espirrar, a calça perfura o pâncreas.
Lingerie feminina ou é bonita, ou é confortável. Você quer usar sua calcinha de algodão, surradinha e confortável, mas totalmente anti-tesônica... Pensa: “Eu não vou dar para ele hoje mesmo, que se foda”. Mas e se, mesmo sem dar para ele, eu subir uma escada e ele acabar vendo a minha calcinha... Brochará para todo o sempre comigo...Puta da vida, você tira sua calcinha amiga e coloca uma daquelas porras mínimas e rendadas, que vão ficar entrando na sua bunda a noite toda...
Você decide usar o sapato assassino. Lei de Murphy de novo... No meio da noite o animal solta um “Sei que você adora dançar, vamos dançar!” Ao dançar, você tenta fazer parecer que as lágrimas são de emoção.
Pergunta masculina: Por quê você não deu o sapato???
Porra... custou caro pra cacete. Vou guardar! Eu sei, eu sei, materialista! Pronto! Você tá linda, apenas lutando mentalmente com o dilema “Será que dou para ele? É o terceiro encontro, talvez eu deva dar”...

Homens, uma calcinha de marca custa o mesmo que um MP4!!!
Favor tirar sem rasgar

Para finalizar, veja quanto custa esse jantarzinho para nós, mulheres:
Roupa................ ......... ......... ......R$ 200,00


Lingerie..... .......... ......... ......... .....R$ 80,00


Maquiagem... ......... .......... ......... .R$ 50,00


Sapato...... ......... ......... ............ ....R$ 140,00


Depilação............. ......... ......... ....R$ 50,00


Mão e pé........... .......... ......... ......R$ 30,00


Perfume francês..... ...... ......... .....R$ 130,00 (se for o de 30


ml....)


Pílula anticoncepcional. ......... .......R$ 20,00


JOGANDO O VALOR PARA BAIXO, as mulheres gastam uns R$ 700,00. Entendem porquê o homem TEM QUE PAGAR A CONTA?
Tem mais: Os homens que nunca dão o primeiro passo (ou seja, ainda não entenderam o que é SER HOMEM em nossa sociedade), perdem o interesse nas mulheres quando tomam a iniciativa. AGORA, QUEM NESSE MUNDO ENTENDE OS HOMENS?

Dominação Psicológica




Entre todas as práticas do BDSM, uma das mais complexas, sedutoras e efetivas, é a Dominação Psicológica. Independe de aparência ou beleza, é algo interior que emana de si. É o poder de persuasão, verbalização e sedução nas palavras. No Universo BDSM, esta habilidade é imprescindível para o processo de dominação do Dominador, muitos sonham tê-la. Alguns até conseguem e suas submissas conseqüentemente são apegadas, incondicionalmente.


O conhecimento teórico de algumas ciências sociais como psicologia, antropologia, filosofia e neurologia, ajuda muito a entender a mente e o comportamento humano podendo usar em pros na Dominação Psicológica em uma relação D/s. Mas como toda teoria só tem de valia e sucesso quando se prática, não vá pensando que Dominação Psicológica é somente ler ou ser formado em alguma das ciências. É preciso além de entender, ter habilidade, que acredito que vem de dentro de cada um emanando, como havia falado. “Ser um Dominador em excelência na Dominação Psicológica todos ou a maioria dizem ser. Mas nem todos a entendem profundamente. É como se todos soubessem pintar, mas nem todos são Artistas”


A dominação psicológica é a algema invisível numa relação do tipo D/s. Uma palavra, um olhar, ou mesmo, o silêncio, se tornam sinais vivos do poder do Dominador. Não há distância que se interponha a este poder. A presença do Dominador se cristaliza a partir da simples lembrança do som de sua voz. Torna-se, assim, um elo que acorrenta sem correntes e prende, sem grilhões.

Mas existe um outro lado bem discutido e abordado: O nível de entrega pretendido pelos Dominadores e a proposta de entrega das submissas. Em alguns casos, pode-se observar que a intensidade da entrega de um ultrapassa a expectativa desejada pelo outro. A dominação psicológica pode vir a ser uma armadilha para ambos, na medida em que o senso de equilíbrio seja muito difícil de alcançar. A submissa pode assumir uma posição de dependência muito intensa e longe do pretendido pelo Dominador. Mesmo em se considerando que, as pessoas envolvidas sejam adultas e responsáveis por si mesmas, em termos emocionais, algumas são mais vulneráveis, ou ainda, mais fragilizadas do que outras. Assim como todo relacionamento quando acaba traz conseqüências, não tão agradáveis, não é diferente em uma relação D/s, além de ser mais intenso em alguns casos como uma relação 24/7, é preciso muito cuidado no encerramento de um relacionamento assim. Um acompanhamento psicológico do Dominador se for o caso dele ter tirado a coleira de sua submissa é indispensável na minha opinião, para que não haja danos emocionais ou morais à submissa.


Existem várias técnicas e formas de se dominar uma pessoa. Cada Dominante tem o seu método próprio e/ou estilo para conduzir alguém, adquirido através de estudos e experiências.

Para que a Dominação Psicológica aconteça é fundamental que ambos se conheçam plenamente. É preciso entender, compreender e perceber no seu comportamento, seus pensamentos, suas reações em todas e quaisquer situações como de alegria, impacto, tristeza, euforia, medo, susto e prazer é primordial para quem domina.


Os tipos, técnicas ou formas diferentes de dominação variam entre Dominadores e do conhecimento de cada um. Submissas igualmente são como riscas de zebras ou digitais, onde não há similaridade. Portanto a forma de dominar dependerá da maneira de ser de cada submissa (o). As relações D/s consistem em conhecimento, confiança e entrega, quanto à aplicação das técnicas, podem ser modificadas dentro da própria relação ou períodos posteriores, tudo dependerá do estimulo e da resposta de cada.


Algumas teorias que abordam a Dominação Psicológica pelos seguintes aspectos;


CONDIGNO - Impõe conseqüência desagradável ou dolorosa pela não sujeição. Obtém a sujeição de outra parte pela potencial capacidade de lhe impor uma conseqüência consideravelmente desagradável ou dolorosa pela não sujeição é o poder gerado pela recompensa negativa advinda do ato não conforme ao esperado.

COMPENSATÓRIO - Poder compensatório ao contrário do anterior, obtém a sujeição a partir de uma recompensa positiva ao ato conforme o esperado. A recompensa é a forma mais comum de expressão desse poder.

CONDICIONADO – Treino, adestramento, persuasão, educação, compromisso voluntário, consegue submeter a pessoa à vontade alheia, ou seja, do Dominante.

E algumas formas de dominação utilizadas por Dominantes podem ser aplicadas através da:

- Condução dos pensamentos e sentimentos - induzir a(o) submissa(o) a pensar e desejar o que o Dominante quer e deseja.

- Afetividade - dominante que se utiliza de expressões que tangem amor, paixão... A sujeição vem através da idéia de estreitamento de laços, de união.

- Instigando a Sexualidade – incitar a libido da pessoa dominada.

- Depreciação e Humilhação - Castigos corporais, insultos ou difamações orais como rebaixamento moral, inferiorização, diminuição, críticas simples e contínuas seguido do propósito de “corrigir” ou de tornar o bottom uma “pessoa melhor”.

- Estímulo positivo do ego - elogiando atos, pensamentos, comportamentos. Aos poucos a pessoa cria dependência desse tipo de estimulo

- Carisma - o extraordinário, reconhecimento da personalidade possuidora de poderes sobrenaturais ou, ao menos, extra quotidianos e não acessíveis a qualquer pessoa. Status social dentro de uma classe. Revelações, reverência pelo herói.

- Indução Comportamental e de Postura - feminilidade, masculinidade, espelhando a um modelo pré-concebido ou já existente. Adquirir comportamento adequado.

- Neurolinguística - conduz a obter visão positiva sobre si mesma, instiga capacidades de ação.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Safeword



É um código de segurança. Uma palavra que, pronunciada pelo submisso, significa: "Isto não está funcionando. Esta cena tem algo errado. Este é meu limite Por favor Pare!".

Uma maneira de dizer imediatamente ao dominador que ele está fazendo algo errado, especialmente se o submisso estiver amarrado ou imobilizado. Conforme o estado em que se encontre o submisso na cena, é mais adequado combinar um gesto.

Os parceiros devem escolher uma safeword ou um gesto que funcione como uma válvula de segurança para o caso de alguma situação sair do controle. A atenção a essa regra é fundamental porque as pessoas nem sempre estão dispostas a fazer ou sofrer todo os tipos de brincadeiras. Existem situações para as quais o submisso ou o dominador podem estar com a sensibilidade alterada.

A transferência consciente de poder

A submissão É uma transferência consciente de poder. Um ato de completa entrega de corpo e comportamento a alguém, que exerce o controle até o limite que for permitido. Esse limite pode ser acordado previamente ou, se ambos quiserem, nada impede de irem se descobrindo aos poucos, mas sem jamais esquecer as regras básicas:

Seguro - Como tudo na vida, o BDSM envolve riscos. Tudo exige muito cuidado e muita consciência e conhecimento daquilo que está se fazendo.

Consensual - É a essência para que jamais haja um mal-entendido entre os envolvidos. Trata-se de separar o que é aceitável do abuso e, também, de respeitar os limites dos parceiros.

As maneiras e os níveis de submissão são infinitos, mas é antes de tudo uma atitude de desejo do submisso, pois, sem o seu consentimento, o limite do abuso já foi ultrapassado.

Você pode estar se perguntando porque uma pessoa se submete tão intensamente às vontades de outra. Para algumas, essa é apenas uma maneira de colocar um pouco de pimenta em suas relações sexuais. Para outras, as razões são mais profundas - psicológicas - buscam a dor e as mais diversas formas de punição, querem ser mesmo humilhadas para assim sentirem prazer sexual. E algumas, parecem mesmo ter nascido para viver relações dessa natureza.

Não existe uma motivação específica para se adotar o BDSM, cada um faz o que acha certo e o que lhe traz satisfação. Já soube de pessoas que começaram a submissão apenas para dar prazer à outra e acabaram fazendo da prática o seu estilo de vida. O despertar geralmente acontece quando permitem que os sentimentos fluam e percebem que nada existe de errado em se sentir submissa (o). Se você tem sentimentos de submissão e pensa que está sozinho, fique tranqüilo, existem muitas pessoas como você e que estão saudáveis e felizes por estarem sendo chamadas de submissas. Explore mais o assunto e poderá encontrar o que sempre desejou em sua caminhada.

Alguns aspectos da Submissão

Submissão é:

• Uma relação intensa, tanto para o homem como para a mulher.

• Entrega total num clima de confiança e respeito.

• Felicidade e equilíbrio com a vivência de seus desejos.

Submissão não é:

• Sinal de fraqueza e inferioridade.

• Falta de inteligência, criatividade ou motivação.

• Comportamento passivo.

• Algo imposto ou involuntário.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Rapidinha em lugares inusitados


Quem disse que sexo precisa ter hora e lugar marcados? A famosa rapidinha em lugares pra lá de diferentes, e a "pimenta" de ser visto por alguém, traz novas sensações e mais intimidade ao casal. Muita gente prova que a boa transa não precisa ser muito longa, tampouco pede uma cama de motel.

Casada há 17 anos, Celina Alves experimentou o sexo em lugares diferentes logo no início do namoro. Antes de viajar ao litoral, a aventura começou logo no elevador. Ela de vestido, e foi só apertar o 13 º andar. Os dois experimentaram o sexo em pé e o medo de serem vistos. Depois disso, a caminho do litoral e no meio da madrugada, ele parou o carro e os amassos começaram. Com a empolgação, o casal transou no capô do carro mesmo, na estrada.

"Acho que mais inusitado mesmo foi no elevador. Também fizemos amor na praia, num pequeno barco abandonado na margem, em um de nossos passeios ao litoral. O cheiro do mar, a lua que brilhava no céu, a brisa e o nosso amor. O clima era super propício! Mas o melhor de todos foi na montanha, porque o visual era incrível lá de cima e não havia a menor possibilidade de aparecer alguém, aí ficamos mais soltos, mais tranqüilos e à vontade. Além do sexo, o gostoso é a sensação de liberdade, de estar ao ar livre e em contato com a natureza. É o gostinho de aventura", conta.


Para a representante comercial, a transa na rua é uma forma de apimentar o relacionamento. Nas primeiras vezes, as ideias vinham do próprio marido, mas com o passar do tempo, a vontade acontecia naturalmente entre os dois. "A gente passou a se conhecer tão bem que se o lugar permitisse, bastava um olhar para o outro. Nada é marcado, a ideia não surge, apenas acontece". Até agora, eles nunca foram flagrados "nem é a nossa intenção, de modo algum", diz Celina. Por isso, eles costumam ter certos cuidados. "Quem gosta de aventuras dificilmente sente medo. Mas não é "qualquer" lugar, "qualquer" praia, "qualquer" montanha que escolhemos", ressalta.

A redatora Mariana*, de 21 anos, transou no banheiro do ônibus, por acaso, em uma viagem ao Rio de Janeiro. "Na volta da viagem conheci um cara muito legal. O ônibus era semi leito e a gente foi conversando sobre relacionamentos - contei que tinha ido ao Rio terminar o namoro -, até que ele me beijou". À noite, durante uma parada, ele teve a ideia de ir atrás dela. "Ele me seguiu e me empurrou para dentro do banheiro. Foi super rápido, coisa de cinco minutos. Confesso que senti medo depois de ter feito, mas essa coisa de não fazer barulho, de ficar quieto e sair de fininho, para ninguém perceber, foi muito legal", confessa.

Mariana* diz que nunca gostou de reprimir os seus desejos e por conta disso gostou da experiência. "Eu sempre fui livre em relação a sexo. A sociedade impõe que a mulher deve ser difícil, se valorizar e não transar no primeiro encontro. Eu prefiro me valorizar de outras maneiras e ser totalmente livre em relação ao sexo e aos relacionamentos", opina.

Mais inusitado ainda foi o que aconteceu com o publicitário Carlos*, de 25 anos, também no banheiro. "Eu tinha ido a uma entrevista de emprego junto com a minha namorada. Quando cheguei fomos avisados que o entrevistador demoraria mais uma hora, por conta de um imprevisto. Ela entrou no banheiro assim que eu fui e disse que eu estava muito tenso, precisava relaxar. E rolou lá mesmo".

Depois do acontecido, Carlos* ficou com receio que alguém percebesse algo. "E realmente aconteceu. Alguém bateu na porta e foi embora. Saiu um de cada vez, para disfarçar, mas mesmo assim um dos candidatos se tocou. Foi uma situação super chata, mas nada disso interferiu no resultado. Até passei na entrevista", diz.

O publicitário Anderson*, de 23 anos, gosta de experimentar lugares novos, para uma transa rápida. "Estacionamento de shopping, corredor, elevador ou a garagem do prédio. A sensação de ser visto é que apimenta. Não é que o sexo fica melhor em si, às vezes é até desconfortável, mas o tesão é muito grande. O perigo sempre gera um misto de medo e excitação e deixa a transa mais excitante", diz.

Com a ex-namorada, até rolou ser observado de fato por outros casais, em uma casa de swing. "É um lugar cheio de regras. Nenhum cara chega em uma mulher acompanhada, precisa de permissão. A gente não fez sexo com outras pessoas, só a gente mesmo. Era uma salinha com pequenos furos, mas que você tranca por dentro. Nós curtinhos muito, foi divertido!", finaliza.

domingo, 8 de agosto de 2010

O Universo Bondage


Muito já se discutiu a respeito de bondage, porém, vale acrescentar que trata-se de um fetiche extenso e de criatividade sem fim. Como toda e qualquer atividade fetichista tem seus limites, entretanto como fantasia é quase infinito. Bondage reúne preferências de seus praticantes que são parte do processo litúrgico que muitos fetichistas sequer supõem que bondage possua. Ouso passar através dessa matéria um pouco de cada detalhe, esperando que meus amigos bondagistas e shibaristas me ajudem postando seus comentários e indicando suas preferências, estejam elas aqui ou não.

IMOBILIZAÇÃO: cordas (algodão, nylon, cânhamo, juta, sisal), algemas, fitilho, lenços de seda (scarf), ataduras, bandagens médicas, tiras de couro, borracha e fios elétricos são as mais comuns;

MORDAÇA: hand gag (utiliza as mãos), cleave gag (lenço por dentro da boca), over the mouth ou detective (lenço cobrindo os lábios e a boca), ball gag (bola presa por tira atrás da nuca), bit gag (como arrio de cavalo), knotted (uma mistura entre cleave gag e ball gag, é dado um nó na tira de pano e colocado dentro da boca), muzzle gag (tiras de couro que atam na nunca e ao longo da face), tape gag (feito com fita adesiva), tube gag (um tubo de couro ou plástico metido dentro de uma tira de pano) e outras que podem surgir de acordo com a imaginação de cada um;

POSIÇÕES: balltie (as mãos às costas, pernas amarradas encolhidas e joelhos tocando nos seios), breast bondage (bondage de seios e peito), crotch rope (muito utilizado na prática do shibari, amarrando através do quadris passando pelos lábios vaginais onde imprime pressão), frogtie (braços para trás e os tornozelos atados na parte superior das coxas), hogtie (braços para trás amarrados nos tornozelos), lotus tié (tornozelos amarrados atrás dos joelhos, muito usado em shibari), over-arm tie (pulsos atados atrás da nuca), prayer position (mãos espalmadas atadas nas costas), rope harness (cordas desenhando o corpo – técnica do shibari), spreadeagle (mãos e pernas abertas atadas nas extremidades), strappado (mãos atadas nas costas e presas em suspenso) e outras técnicas de shibari como shrimp tie;

PÉS: descalços (pés limpos ou sujos), sandálias, botas, calçados fechados tipo festa ou escolares, tênis ou meias tipo soquete, meias de seda e outros. O fetiche bound-feet é parte das práticas de bondage para alguns;

CABELO: solto, preso tipo coque ou rabo de cavalo, curtos ou longos;

VENDA: blindfold (pode ser de pano, couro ou tipo daquelas que se usa para blackout durante o sono);

Os procedimentos para uma boa prática de bondage requerem conhecimento da doutrina que é ampla e muito atraente, tanto no campo visual como no apelo sexual que é marca registrada do fetiche. Ninguém nasce sabendo, por isso é impossível tornar-se um expert no assunto sem que haja estudo das terminologias e uma prática constante par alcançar o objetivo pretendido. Existem sites, blogs e vários workshops nos grandes centros onde se pode conhecer cada detalhe do que foi explanado através dessa matéria. O importante é saber que nunca é tarde para começar a aprender nada e que não existe limite para onde a imaginação nos possa guiar.

Devotees


Hoje vamos falar dos Devotees, pessoas que se sentem sexualmente atraídos por mulheres amputadas ou homens amputados.
Existem sites contendo fotos e vídeos de mulheres com deficiência, como se fossem uma espécie de Playboy virtual, especificamente destinada a esses homens e seus desejos, como o http://www.amphouse.com/.
Porém, esses casos não são manifestações isoladas, sem interesse. Esse universo paralelo, regido por leis desconhecidas, é parte de um evento muito mais sofisticado do que se imagina.
Existem os devotees que são pessoas (homens ou mulheres, hetero ou homossexuais) que se sentem sexualmente atraídas por pessoas com deficiência. Há também os pretenders que são pessoas que, além de serem devotees, sentem-se sexualmente estimuladas quando fingem ser deficientes, utilizando, em público ou privadamente, equipamentos como cadeira de rodas, muletas, bengalas, aparelhos ortopédicos como fantasia sexual (fetiche). Além disso, existem os wannabes, que são devotees que desejam tornarem-se, de fato, deficientes.
Embora tenha ganhado visibilidade a partir do advento da Internet, a literatura médica relata casos de devotees desde 1800 e casos de wannabes são documentados a partir de 1882, "sem que, no entanto, suas causas tenham sido devidamente esclarecidas".
Em outros países como, por exemplo, Estados Unidos e Inglaterra, esse assunto tem sido objeto de estudo e discussão, não apenas entre os profissionais da área médica, mas também entre as pessoas com deficiência e suas organizações representativas.
Não existem estudos sobre o devoteísmo no Brasil.
Algumas pessoas com deficiência que (em virtude das limitações físicas e sociais impostas pela própria deficiência) não tiveram muitas oportunidades de ter experiências sexuais e/ou afetivas, ao tomarem conhecimento da existência dos devotees, imaginam que estes podem ser a resposta às suas preces. Outras, por outro lado, crêem que envolver-se com devotees significa necessariamente expor-se ao abuso.
O objetivo desta matéria - mais do que difundir a informação - é suscitar a discussão, que pode colaborar para o estabelecimento de contatos positivos entre as partes. Creio que é possível amenizar a angústia do isolamento e o medo do desconhecido através da nomeação deste lugar ainda oculto pelas sombras da ignorância.
Portanto, conhecer os sentimentos, tanto dos devotees quanto das pessoas com deficiência, a partir de uma discussão desarmada sobre o assunto, é a melhor (e talvez a única) estratégia de que dispomos para compreender o devoteísmo e o que ele representa, ou pode representar, tanto para os devotees quanto para as pessoas objeto de seu desejo.
Dessa forma, cada vez mais pessoas deficientes podem desfrutar de certas emoções que dantes pareciam relegadas às pessoas que não possuem deficiência alguma.

Bondage na Cama: lugar perfeito?


gnore a posição preferida, pense apenas no lugar perfeito para uma boa prática de bondage.
Se este local for uma confortável e aconchegante cama de casal, bem vindo ao paraíso.
Não que seja um lugar único, mas posso garantir que é ideal.
Nada de ser exigente ou buscar contornos fotográficos para uma cena imaginária, pois basta a simplicidade, mãos e pés abertos atados à cabeceira e ao pé da cama.
Está pronta a receita...
A partir de então vale o poder de criação e você e sua parceira podem fazer tudo a que têm direito. Vá lá, anote umas dicas: roupa de colegial na menina. Sempre funciona, dá um clima de seqüestro retrô, daqueles que vagaram pela imaginação nos tempos da adolescência.
Se o ambiente estiver com a temperatura elevada, infernal mesmo, uma lingerie vermelha, rosa, branca ou negra, salto alto, meia de seda e umas velas para criar uma atmosfera sensual é a grande pedida. Seria a parceria perfeita entre a sexualidade e o fetiche, um encontro mágico capaz de gerar a pura energia.
A conclusão que se chega é a seguinte: mulher amarrada na cama é uma tentação e o clímax do fetiche de love bondage. É inegável. Se o distinto cavalheiro optar pela namorada pelada, como veio ao mundo, fique a vontade, porque em nada muda o cenário. Trajes sensuais apenas colocam mais lenha na fogueira.
Agora um conselho, se me é permitida a intromissão na fantasia alheia: viva o momento com tudo, sem pensar na realidade que existe e estará de volta assim que tudo terminar. Deixe os problemas do lado de fora do quarto, haverá tempo de sobra pra tratar de qualquer coisa depois.
Mergulhar na fantasia é a única maneira de obter um resultado perfeito.
De que adianta buscar a perfeição se o pensamento está voltado a fatos que nada têm a ver com o que se passa entre quatro paredes? Fantasia, o nome já diz tudo e é por causa disso que se monta todo um clima para sair da rotina.
Os mais ousados e com alguma experiência em posições de bondage, poderão optar por amarrações mais complicadas e eficientes, porém se a intenção é saborear o momento como um todo, creio que não faria tanta diferença assim.

Jamais se esqueçam que uma fantasia de bondage deve ser precedida de uma faca afiada ou tesoura sempre perto de quem está imobilizado. É um procedimento seguro e que deve ser encarado como essencial. Se alguma coisa anormal acontecer, haverá a possibilidade de reverter o quadro por quem está aprisionado.
Comece a conversar, bolar um roteiro e ponha a imaginação pra trabalhar.
As opções são inúmeras e quando duas pessoas adultas resolvem se embrenhar por esse caminho é o começo de uma grande aventura que viverá pra sempre na lembrança, sem importar o que venha acontecer.
Viver o presente é a melhor maneira de encarar o futuro sem medo e uma chance muito grande de ser feliz, por longos anos.
Basta tentar.

O Fio Terra


A principal função do aterramento é o escape para um local seguro, de energia dispensável. É o condutor cuja função é conectar à terra todos os dispositivos que precisarem utilizar seu potencial como referência.
Bom, esse é o conceito do fio terra normalmente utilizado para o escoamento de cargas elétricas, mas como nosso caso aqui é falar de fetiches temos a obrigação de mudar de pólo, porque o fio terra sexual, embora tenha o mesmo nome, carrega um significado totalmente diferente.

Cercado de lendas e mistérios, o fio terra sexual é a famosa dedada durante um ato sexual.
As lendas a respeito do assunto dão conta de casos nem sempre verdadeiros, onde mulheres especialistas se orgulham de alcançar a próstata masculina em busca do aumento do orgasmo, e os mistérios estão relacionados a grande quantidade de adeptos que via-de-regra não assume de forma alguma essa preferência.

É preciso deixar de fora práticas fetichistas realizadas através da introdução de brinquedos e consolos no ânus masculino, a conhecida inversão, porque nem todos que gostam da penetração com o dedo sentem prazer ao serem invadidos por objetos.

Noutro dia comentando, falei da minha opinião sobre o tema. Gerou alguma polêmica. Pra dizer a
Além disso, não teria o direito de ir de encontro ao fetiche já que admito sentir prazer ao ver uma mulher amarrada.

Como em qualquer prática fetichista, o pior momento para quem gosta de fio terra está na hora de confessar a parceira tal preferência. Algumas mulheres são avessas a este tipo de prática e creditam essa busca pelo prazer de alguns homens a atos de homossexualismo.

Mas essa regra não existe e os homens que sentem tesão com um dedo penetrando seu ânus podem não ser homossexuais. A homossexualidade consiste em ter desejo por pessoa do mesmo sexo, e no caso do fio terra quando praticado entre um homem e sua parceira não tem um caráter homossexual.

De acordo com especialistas, a região anal, quando tocada, traz grande carga de prazer para muitas pessoas, sejam mulheres ou homens. A parte externa do ânus humano concentra várias terminações nervosas e, por isso, as carícias feitas ali podem provocar muitas sensações. A parte interna do ânus também produz essas sensações, principalmente porque, nos homens, ali é possível estimular a base interna do pênis, o duto ejaculatório e a próstata.

O grande problema é confessar.

A dedada na hora do sexo tem total conotação de clandestinidade. O anonimato é a palavra de ordem e por conta disso muitos homens acabam recorrendo a profissionais do sexo para escapar do constrangimento de abrir o jogo em seus relacionamentos.

Porém, todo cuidado é pouco Senhoras Dominadoras iniciantes, porque essa prática deve sempre obedecer o conceito que rege o BDSM: são, seguro e consensual. Nada de imobilizar o parceiro e utilizar o ânus sem prévio consentimento.

O fio terra é bom pra quem gosta, caso contrário pode ocorrer até um trauma irreversível em quem jamais pensou experimentar essa prática.

Resumindo, seria muito simples dizer aqui que os adeptos do fio terra deveriam deixar a vergonha de lado assumindo o fetiche, mas essa música não é tão simples de tocar por conta do preconceito que cerca essa atividade.

Aos que conseguem parabéns, assim haverá mais chances de alcançar o objetivo. Aos que ficam na “surdina” boa sorte no instante de abrir o jogo já com a partida em andamento.

A Última Academia BDSM


O clube Rapture ficava em New York.
Uma autentica academia onde se aprendia a praticar todo tipo de cena dentro do BDSM.
A palavra "Masmorra" não fazia justiça ao lugar. Rapture era uma casa de teto alto em Manhattan, ocupando um andar inteiro de um estúdio / sótão.
Quatorze senhoras preparadas para receber num ambiente de quatro quartos, cada um especialmente equipado para atender aos caprichos perversos de sua clientela.
Duas salas eram um “standard dungeon”, outra era uma sala equipada para bondage e Shibari, e uma sala médica. Embora não tivesse em sua atmosfera a ostentação de outras casas de dominação da cidade, tais como o “Pandora’s Box”, era limpo, seguro e estéril, o que não pode ser dito sobre todas as casas de BDSM em Nova York.
O Rapture também tinha definida a "política sem sexo". Era uma escola, ou, pelo menos deveria ser.
A caixa de ferramenta sórdida continha uma lista quase infinita de implementos de disciplina; bengalas, floggers, bullwhips e instrumentos de tortura, tais como velas, piercing, equipamentos, aparelhos de eletrocussão, e os brinquedos de humilhação como móveis de tortura medieval e as câmaras, incluindo vários cavaletes, camas de servidão e diferentes e atrativos jogos de cordas cortados em tamanho padrão.
Bastaria colocar as mãos em todos eles, participando do que seria o melhor curso de dominatrix do mundo; treinamento intensivo que fazia com que as meninas do Rapture fossem consideradas as melhores no negócio.
Quem pensa que ser uma dominatrix é um caminho rápido para o dinheiro fácil está redondamente enganada. Este curso intensivo abrangia todos os aspectos da profissão, desde psicologia e segurança, as habilidades técnicas necessárias para utilizar as ferramentas, e como preencher as horas assim que o escravo fosse prostrado aos seus pés.
As sessões poderiam durar até seis horas.
Qualquer um podia escolher cursos avançados em temas tais como bondage e shibari que envolviam instrutores convidados, e intimidação não conflituosa. A mente se encantava.
Os instrutores, Ardenne e Mitsu ensinavam os truques da dominação.
Eles fizeram um relato de uma versão compactada de um curso que normalmente demoraria sete dias, uma semana que se iniciava com o atendimento por telefone e terminava com a formação em jogos sexuais avançados.
E tudo isso se resumia num mundo de dominação que só de imaginar dá vontade de aprender.
Ardenne foi para uma escola católica aos 12 anos. Ela descobriu o BDSM aos 22, ano em que perdeu sua virgindade. Um ano mais tarde começou a trabalhar no Rapture. Inicialmente uma sub, afirmava que começou no Rapture para voltar para um ex.
Mitsu declarou na época: “existem os que insistem em realizar fantasias que fogem do objetivo do curso, que está totalmente fora de nossa própria capacidade técnica.”
Como um cara que perguntou: "Você pode me castrar?”
Eu apenas respondi: “Você precisa ir a um cirurgião para isso.”

Tudo isso foi um sonho que durou exatos cinco anos, porque há algum tempo atrás o proprietário do Rapture, Collin Reeve, foi preso juntamente com todas as dommes do local acusado de prostituição e outros delitos.
O Rapture fechou suas portas e hoje restam fotos e recordações do lugar.
Ninguém sabe ao certo se realmente existia esse tipo de atividade no local.
A idéia era ótima, o clube foi famoso e teve seu tempo de glória que terminou com o pagamento de uma fiança de 30.000 dólares e o desaparecimento de seu proprietário, dominadoras, móveis e utensílios.

http://www.bound-brazil.com

Viciada em sexo culpa do jogo Wii Fit



De acordo com o jornal The Daily Star, uma mulher de 24 anos afirma ter ficado ninfomaníaca depois de um percalço com o jogo Wii Fit.

A mulher, residente em Manchester culpa o videojogo da Nintendo pela sua actual adição ao sexo. Segundo o que foi relatado pela mesma, ela magoou-se depois de ter caído da balance board que inclui o jogo, ferindo um nervo, que lhe gerou a síndrome de excitação sexual permanente, conhecido popularmente como adição ao sexo, e agora precisa, segundo a mesma, de pelo menos 10 sessões de sexo diárias.

Ela explicou também que as coisas mais sensíveis, como qualquer tipo de vibração, incluindo a gerada por um telemóvel, ou uma picadora, a estimula sexualmente, o que em certas ocasiões resulta em orgasmos.

Apesar de tudo a mesma leva estes acontecimentos com um certo humor dizendo que, "Sem cura, só posso tentar controlar a minha paixão através de respirações profundas. Espero encontrar um dia um super homem que me possa satisfazer."

Japonesa é acusada de matar 6 homens que conheceu pela internet


Kanae Kijima, de 35 anos, se aproximava de solitários, aplicava golpe de dinheiro e depois os matava.
A polícia do Japão prendeu uma mulher suspeita de ter sido responsável pela morte de pelo menos seis homens que ela teria conhecido pela internet.

Nomeada por sites japoneses como Kamae Kijima, ela se aproximava de homens solitários em páginas de encontros, aplicava um golpe para conseguir dinheiro deles e depois os matava, disfarçando os crimes para que parecessem suicídio ou acidente.

Segundo relatos da imprensa japonesa, Kijima, de 35 anos, tinha um blog sobre culinária e trabalhava em um bar na cidade de Tottori.

Sua última vítima foi um executivo de 41 anos, que foi encontrado morto por asfixia com monóxido de carbono no banco traseiro de um carro, em um aparente suicídio.
Mas além de verificar que não havia chave na ignição nem um bilhete, a polícia descobriu que ele havia transferido 5 milhões de ienes (cerca de R$ 94 mil) para Kijima no dia anterior.

Uma autópsia também revelou que o sangue da vítima continha traços dos mesmos tranquilizantes que haviam sido prescritos para a mulher e encontrados em uma busca na casa dela.

Outras vítimas

Após a confirmação da suspeita, a polícia conseguiu relacionar o nome de Kijima com o de outros homens que tinham aparecido mortos em circunstâncias estranhas.

Um deles era Kenzo Ando, de 80 anos, que morreu em um incêndio em sua casa, onde a mulher havia estado no mesmo dia. Em seu corpo também foram encontrados tranquilizantes.

Desde que Kijima foi presa, a lista de possíveis vítimas cresceu, incluindo um jornalista que foi atropelado por um trem, um policial encontrado enforcado e um homem que teria se afogado.

Segundo a imprensa, ela contava a suas vítimas que pretendia se casar após terminar a faculdade, mas que precisava de dinheiro para isso.

A polícia não tem divulgado informações oficiais sobre o caso, e a maioria das notícias vêm de dados vazados para a imprensa japonesa.

domingo, 1 de agosto de 2010

Massagem Anal















Um passo por passo guia instrucional pictórica para realizar massagem anal. Você vai precisar de uma geléia lubrificante à base de água (Astroglide por exemplo) e uma luva de látex. Não é recomendado não usar lubrificantes com "de sensibilizador" propriedades. O receptor deve esforçar-se por ser impecavelmente limpo, usando uma ducha anal antes da massagem.


Para ampliar clique sobre a imagem, o alargamento será em cores.


A. Começar no local sagrado e / ou massagem anal com um toque suave e lúdica, permitindo que o doador a oportunidade de se excitar e relaxar tanto que pode ser um receptor apreensivo e tenso. O doador deve resistir à tentação de "entrar" o receptor, neste momento!


B. O doador agora desliza em uma forma de luva de látex apropriado.

C. O doador se aplica uma quantidade muito liberal de lubrificação de qualidade para o dedo ", bem como a abertura anal [" rosebud "]. Certificar-se que o lubrificante é, pelo menos à temperatura ambiente ou quente. Nunca aplique "quente" ou "lubrificante" frio.


D. O doador irá começar a massagem suavemente, mas firmemente pressionando o dedo pretendido contra o "rosebud". É fundamental que o doador nunca prod excessivamente, mas sim permitir que o receptor para tornar-se confortável com o dedo do doador. Exercendo uma pressão suave e constante, o doador vai achar que o ânus do receptor irá gradualmente começar a relaxar e, eventualmente, "desenhar" no dedo bem lubrificado.

O doador pode agora começar a massagem com seriedade, lembrando-se não retirar o dedo por completo. O receptor pode desejar a aceitar mais de um dedo, mas isso pode exigir mais tempo e prática, entre o doador eo receptor.